Cuiabá (MT), 20 de setembro de 2017 - 08:14

Cuiabá
Carregando...

? ºC

/

Política

07/09/2017 21:07

'Dinheiro era depositado nos partidos, entregue em malas', diz Palocci em depoimento

O ex-ministro Antônio Palocci afirmou ao juiz Sérgio Moro que sabia de entregas de dinheiro de empresas feitas em malas a partidos. A fala foi dita quando um dos procuradores presentes na audiência de quarta-feira (6) o questionou sobre uma possível mudança de versões do depoimento prestado em outro processo da Operação Lava Jato, em abril deste ano.

Conforme o procurador Antônio Carlos Welter, no primeiro depoimento, o ex-ministro disse que nunca tinha tratado de propinas ao PT com empresários.

Palocci respondeu dizendo que nunca tinha feito a operação dos pagamentos, apenas pedia as doações aos empresários. Segundo ele, normalmente eram os tesoureiros do PT que cuidavam desses detalhes.

 

"Não, eu nunca operei. Eu disse naquela oportunidade que nunca operei doações, continuo a dizer, nunca operei doações, nunca fui buscar dinheiro em empresas. Mas sabia que o dinheiro era depositado nos partidos, entrega em malas... Eu não fiz essa operação", afirmou.

O procurador insistiu que a frase de Palocci em abril era "Eu nunca tratei de propina". No novo depoimento, o ex-ministro disse que tinha trocado as palavras, mas que mantinha o que tinha falado da primeira vez.

"Pode ser que eu não esteja falando exatamente a mesma palavra, mas eu digo, eu disse digo hoje eu nunca cheguei para uma empresa e falei 'o senhor pode pagar no exterior tal pessoa'. Não me cabia discutir como a empresa ia pagar. Mas eu várias vezes pedi para a empresa 'o senhor pode fazer doação de 50 milhões para campanha do presidente tal, da presidente tal'”, afirmou.

Ele explicou que depois de pedir o dinheiro cabia aos tesoureiros o trabalho de mexer com a operação do dinheiro, definindo se os repasses entrariam como doações oficiais ou por caixa dois, no exterior ou em dinheiro e assim por diante.

Ainda de acordo com o ex-ministro, na campanha de 2014, com o aumento da fiscalização sobre caixa dois nas candidaturas, a maior parte dos recursos foram declarados oficialmente. Mesmo assim, isso não reduziu as irregularidades.

 

 

"A campanha de 2014 teve duas características: foi a campanha que mais teve caixa um, e foi uma das campanhas que teve mais ilicitudes. Por que? Porque o crime se sofisticou no campo eleitoral. As pessoas viram que o problema é o caixa dois, então transforma, vão transformando progressivamente tudo em caixa um. Só que a ilicitude está fora do pagamento, a origem criminosa dos valores", afirmou.

Plenário Mato Grosso - Central de Notícias, aqui você é informado com *Credibilidade **Dinamismo ***Seriedade e ****Conceito

Plenário Mato Grosso

Rua João Bento, 592-A
Bairro Quilombo
Cuiabá - Mato Grosso

plenariomtcomercial@gmail.com

imprensaplenariomt@gmail.com

contato@plenariomt.com.br

Busca

Redes Sociais

1170x90
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo