Cuiabá (MT), 27 de junho de 2017 - 00:34

Cuiabá
Carregando...

? ºC

/
620x100  1
Governomt trabalho infantil 468x60  1
Banner faixa cidada 468x90
Pref cuiaba maio amarelo 468x60
Governo aniversario mt 468x60
Governomt queimadas 468x60  10
Banner governo abuso infantil 468x60
Banner gov mt em acao 468x60
440x90
Banner prefeitura negocieja 468x60  1

Mundo

12/06/2017 12:22

Classe média venezuelana engrossa fluxo crescente de refugiados no Brasil

O fluxo de cidadãos venezuelanos que atravessam a fronteira de Roraima fugindo da crise política e econômica não está transferindo para o Brasil somente mão de obra sem qualificação, como os operários que fazem bicos em Boa Vista ou indígenas warao, etnia de cultura diferenciada e cultura nômade da Venezuela.

Parte do contingente é de profissionais graduados em universidades venezuelanas ou em cursos técnicos, trabalhadores e profissionais liberais qualificados que podem ser encontrados trabalhando no comércio e serviços na capital de Roraima, primeira parada dos refugiados.

“Está muito difícil a situação na Venezuela”, afirmou na quinta-feira o bioquímico Rhodell Pérez Albornoz, de 40 anos, que optou por deixar seu país há cinco meses e trabalha como garçom em Boa Vista. Com a mulher, Gheyser, de 33 anos, médica especializada em medicina do trabalho e ultrassonografia, Rhodell trabalha à noite em um bar da cidade, junto de pelo menos outros sete compatriotas que também tentam sobreviver com a documentação de refugiados.

“Mas está muito difícil também aqui”, disse ele na quinta-feira, na entrada do prédio da Polícia Federal de Roraima, onde foi renovar os documentos de refúgio. Com um filho de 14 anos para criar, o casal está vivendo somente com a renda de Gheyser. Ela é formada na Universidade Rómulo Gallegos, de San Juan de Los Morros, Estado de Guárico, e veio para o Brasil atraída pelo Programa Mais Médicos. “Esperava ter uma oportunidade”, disse a médica, que trabalhou em uma clínica privada na Venezuela até decidir abandonar o país para tentar a sorte no Brasil.

Hoje, Gheyser é caixa de supermercado em Boa Vista e está arcando com o sustento da família porque o marido está com pelo menos dois meses de salários atrasados no bar onde serve bebidas e espetinhos de carnes. “Somente com aluguel e as taxas de moradia, vão R$ 700, explica Rhodell. Ao relembrar das dificuldades em seu país e também da situação que enfrenta em Boa Vista, Gheyser decidiu encerrar a entrevista. “Não quero mais falar sobre isso. Não resolve nada”, disse ao marido.

Rhodell desculpou-se e explicou que a mulher está cansada e nervosa. “Gostaríamos de ir para outra cidade, onde houvesse mais oportunidades de trabalho, mas as passagens estão muito caras”, relata o rapaz. Ele explica que a situação na Venezuela está se agravando a cada dia.


Plenário Mato Grosso

Rua João Bento, 592-A
Bairro Quilombo
Cuiabá - Mato Grosso

plenariomtcomercial@gmail.com

contato@plenariomt.com.br

Busca

Redes Sociais

Plenário Mato Grosso - Central de Notícias, aqui você é informado com *Credibilidade **Dinamismo ***Seriedade e ****Conceito

955x90
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo