Cuiabá (MT), 22 de outubro de 2017 - 10:28

Cuiabá
Carregando...

? ºC

/
572x90
Banner gov mt em acao 468x60  2

Economia

11/05/2017 10:21

Vendas no comércio caem em março de 2017, diz IBGE

o comércio varejista brasileiro teve recuou pelo segundo mês consecutivo, com queda de 1,9% em março em comparação com fevereiro, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (11). Em relação a março de 2016, o varejo nacional recuou 4%, em termos de volume de vendas, 24ª taxa negativa consecutiva nessa comparação. Nos primeiros três meses de 2017, o comércio acumula queda de 3%. Nos últimos 12 meses a queda foi de 5,3%.

Já a receita nominal de vendas apresentou, em março de 2017, queda de 2% em comparação ao mesmo período de 2016, alta de 0,5% no acumulado no ano e alta de 3,5% nos últimos 12 meses.

Juliana Vasconcellos, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, destaca que o desemprego influenciou o resultado ruim. "A desocupação é a maior desde 2012, como mostram os dados da Pnad. A renda diminuiu".

 

"Outro fator que contribuiu foi a Páscoa, que gera mais vendas ao comércio na comparação com o ano passado. Em 2016, a Páscoa foi em março. Este ano foi em abril", contou Juliana.

De acordo com Roberto Olinto, diretor do IBGE, os números de janeiro foram uma exceção em relação à conjuntura econômica por causa do 13º salário e outros benefícios, já que em dezembro os consumidores seguraram os gastos. "Janeiro foi um suspiro na crise em comparação aos números dos dois meses seguintes", destacou.

"Injetando o valor disponibilizado pelo FGTS na economia e com a expectativa de que cerca de 30% desse valor seja destinado ao consumo, vamos observar se melhoras vão surgir", destacou Olinto.

 

Atividades

Quatro atividades registraram taxas negativas: artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos e equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação, registraram -0,5%, tecidos, vestuário e calçados com -1% e hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo com -6,2%.

 

"Alguns estudos apontam que ocorreu uma queda menor no setor de tecidos, vestuário e calçados. Coincidiu com a liberação do FGTS, que pode ter ajudado, alem de promoções no comércio", destacou Juliana.

Já para o setor de hiper e supermercados, Juliana afirma que ele é muito sensível a renda. "Os consumidores trocam os produtos mais caros por marcas menos conhecidas", explicou.

Por outro lado, móveis e eletrodomésticos (6,1%) livros, jornais, revistas e papelarias (5,6%), combustíveis e lubrificantes (1,1%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (0,9%) tiveram resultados positivos.

A alta de 5,6% na venda de livros, jornais, revistas e papelarias aconteceu por causa da volta às aulas, mas apesar do resultado, o setor regitrou queda de -13,2% nos últimos 12 meses.

 

Regiões

As vendas no varejo recuaram em 16 das 27 unidades da federação, com as maiores variações negativas observadas em Goiás (-13,3%), São Paulo (-5,9%), Acre (-2,5%) e Mato Grosso do Sul (-2,4%).

Na comparação com março de 2016, 17 das 27 unidades da federação apresentaram resultado negativo no volume de vendas, com destaque para Goiás (-17%), Distrito Federal (-10,3%), Roraima (-9,5%), São Paulo e Espírito Santo, ambas com -8,9%.

Por outro lado, dez estados registraram resultados positivos: Santa Catarina (15,2%), Alagoas (5,8%), Tocantins (5,6%), e Paraná (3,5%).

 

Varejo ampliado

O comércio varejista ampliado, que inclui o varejo e mais as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, voltou a registrar variação negativa para o volume de vendas sobre o mês imediatamente anterior, na série com ajuste sazonal (-2%), após quatro meses seguidos de resultados positivos.

Em comparação com março de 2016, o comércio varejista ampliado apresentou recuo de 2,7% para o volume de vendas (34ª taxa negativa consecutiva) e de -1,2% para receita nominal. Nas taxas acumuladas, os resultados foram -2,5% no ano e -7,1% nos últimos 12 meses para o volume de vendas, enquanto para receita nominal as taxas ficaram em -0,1% e -0,5%, respectivamente.


Plenário Mato Grosso - Central de Notícias, aqui você é informado com *Credibilidade **Dinamismo ***Seriedade e ****Conceito

Plenário Mato Grosso

Rua João Bento, 592-A
Bairro Quilombo
Cuiabá - Mato Grosso

plenariomtcomercial@gmail.com

imprensaplenariomt@gmail.com

contato@plenariomt.com.br

Busca

Redes Sociais

1170x90
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo