Cuiabá (MT), 24 de junho de 2017 - 04:35

Cuiabá
Carregando...

? ºC

/
Governomt trabalho infantil 468x60  1
Banner faixa cidada 468x90
Pref cuiaba maio amarelo 468x60
620x100  1
Banner gov mt em acao 468x60
Governo aniversario mt 468x60
440x90
Banner governo abuso infantil 468x60
Banner prefeitura negocieja 468x60  1
Governomt queimadas 468x60  10

Cultura

10/05/2017 18:03

A mistura cultural que compõe Mato Grosso

Cuiabá, junho de 1924. Os festejos ao Senhor Divino se aproximavam do fim, depois de dias intensos de comemorações ao Espírito Santo. Para o encerramento, o grande espetáculo estava por começar: a última tourada do Divino. No Campo D’Ourique, os camarotes estavam montados e a população chegava aos montes. Os melhores lugares, claro, restritos aos mais importantes - e ricos - da cidade. Ao redor da cerca, os populares se aglomeravam, tentando conseguir o “melhor” ângulo para o grande show.

“Em que pese a clara segregação das classes nos espaços da tourada, esta era uma diversão em que toda a sociedade comparecia, não ficando ninguém de fora”, relata a pesquisadora Marisa Camargo na pesquisa “A touromaquia cuiabana: festa, barbárie e tradição”.

Juntamente com festejos religiosos, a tourada era um momento de socializar, encontrar os amigos, sair da rotina da cidade. A população aguardava ansiosa e, para esse momento, reservava os melhores vestidos, ternos, camisas e sapatos.

Na arena, os bois estavam no “curro” (local destinado aos animais), prontos para a batalha. O toureiro - muito bem vestido - se apresentava com sua lança e seu cavalo, bem como o auxiliar, conhecido como “jacuba”. Em maior número, os chamados “capinhas” também aguardavam o momento certo para começar a distrair (e irritar) os animais, assim como os máscaras, responsáveis pelas “palhaçadas”.  Casa cheia, tudo pronto. Começava o espetáculo.

Trazida pelos portugueses, a tourada foi incorporada pelos mato-grossenses, principalmente de Cuiabá e Cáceres, conforme registros de Giuslane Francisca da Silva, que pesquisou essa prática entre os cacerenses. Mas aos poucos passou a ser questionada por grupos da sociedade e o que antes era tido como um momento de distração e sociabilidade, inclusive, associado à religiosidade de um povo, passou a ser visto como algo bárbaro.  

A partir de 1934, já não era mais permitida a realização de touradas. Presidente à época, Getúlio Vargas decretou a proibição de qualquer evento que houvesse maus tratos aos animais. “O Brasil tentava se modernizar e para isso era necessário deixar para trás algumas práticas”, conta a historiadora Maria Auxiliadora de Freitas. Assim, as touradas se resumem hoje a páginas de livros e fotografias. Algumas delas compõem o acervo do Núcleo de Documentação e Informação Histórica Regional (NDIHR), da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Desde então, novos eventos festivos e manifestações culturais entraram para o calendário cultural dos mato-grossenses. Outros são preservados por grupos culturais do estado, como é o caso da Cavalhada. Apesar de ter surgido em Mato Grosso no século XVIII, a Cavalhada ainda é realizada em Poconé no mesmo período em que aconteciam as touradas, juntamente com os Mascarados, que dançam com suas roupas coloridas e máscaras artesanais.

Já no Vale do Guaporé, principalmente em Vila Bela da Santíssima Trindade, a Dança do Congo e o Chorado ainda vivem. Este último é “uma forma de súplica dos negros aos senhores, para que os perdoassem dos castigos prometidos aos escravos transgressores”, conforme relata o autor Roberto Loureiro, no livro “Cultura mato-grossense”. No Chorado, as mulheres dançam com vestidos coloridos e uma garrafa equilibrada na cabeça, ao som de músicas de raízes africanas.

No Congo, a dança é a dramatização da luta simbólica entre dois reinados africanos. Conforme nos explica Loureiro, “no reinado do Congo os personagens representados são: o Rei, Secretário de Guerra e o Príncipe. No reinado adversário, Bamba, estão o Embaixador do Rei e doze pares de soldados”, os quais tocam ganzá, viola, cavaquinho, chocalho e bumbo

Influências

Quando o assunto é quadrilhas juninas, o Vale do Araguaia está para Mato Grosso assim como Campina Grande está para o estado da Paraíba. Sim, em território mato-grossense esses festejos ganham cada vez mais espaço. Há 15 anos, ao se aproximar do mês de junho, a região do Araguaia mato-grossense se enche de alegria, cor, brilho, música e muita dança.

O Festival de Quadrilhas do Vale do Araguaia é um dos eventos mais esperados pela população e já faz parte do calendário cultural da região. Realizada pela Federação Mato-grossense de Quadrilhas, a festa mantém viva uma tradição enraizada nas comunidades locais. Os grupos investem pesado em figurino, coreografia, roteiro e técnica. Este ano, as etapas classificatórias começam em Rondonópolis, nos dias 27 e 28 de maio, e a final será em General Carneiro, de 23 a 25 de junho.

Já nas cidades com forte presença de migrantes da região Sul do Brasil, o destaque são as festas realizadas nos centros de tradição gaúcha, os chamados CTGs. A incorporação dos costumes e das manifestações artísticas típicas do Rio Grande do Sul se deu a partir da década de 1960, quando começaram a chegar os primeiros migrantes sulistas, movimento incentivado, à época, pelo Governo Federal.

Nos eventos típicos realizados nos CTGs, o que se vê é churrasco, chimarrão, bombacha, bota, vestidos de prenda, rodeio crioulo, tudo ao som de muita música gaúcha. Cada centro conta com equipes de dança, canto e montaria, que se preparam ao longo do ano para participar das etapas classificatórias e eliminatórias do Festival Nacional de Arte e Tradição Gaúcha (Fenart).

Mais espaços de cultura

Novos espaços para manifestações culturais foram criados nos últimos anos em Mato Grosso. Na região metropolitana, por exemplo, o Vem Pra Arena entrou para o calendário cultural do estado como um espaço que promove o acesso a diferentes tipos de arte. Desde a primeira edição, em maio de 2015, o evento reúne no entorno da Arena Pantanal, em Cuiabá, artistas nacionais e regionais com uma programação gratuita.

Um dos principais projetos da Secretaria de Estado de Cultura (SEC-MT), o evento é também promove acesso ao lazer, fomento à cadeia produtiva da cultura, geração de emprego e renda. Cada uma das nove edições do Vem Pra Arena recebeu, em média, 30 mil pessoas.

No interior do estado, foram criados espaços itinerantes de fomento às manifestações culturais por meio do projeto Circula MT, que está na segunda edição. Na primeira, mais de 100 artistas mato-grossenses desenvolveram ao menos 300 ações culturais em 50 municípios. O projeto alcançou os extremos de Mato Grosso, chegando a aldeias, glebas e quilombos. Os xavante da aldeia Wede’rã, por exemplo, tiveram contato com o teatro pela primeira vez.

Na segunda edição, serão contemplados 34 projetos, divididos em cinco modalidades: música, teatro, dança, circo e artes visuais. De acordo com o edital, os projetos devem apresentar ao menos um espetáculo/exposição em cada município, com um número mínimo de cidades para cada categoria.

Fontes bibliográficas

CAMARGO, Marisa de Oliveira. A touromaquia cuiabana: festa, barbárie e tradição (1936-1970). Dissertação (mestrado). Universidade Federal de Mato Grosso, 2005.

DA SILVA, Giuslane Francisca. Sociabilidades urbanas: memórias sobre festividades religiosas em Cáceres/MT (primeira metade do século XX). Revista eletrônica Documento Movimento. Cuiabá, Vol. 20 - N. 1 - Dez/2016.

LOUREIRO, Roberto. Cultura Mato-grossense: festas de Santos e outras tradições. Cuiabá: Entrelinhas, 2006.

 

Caroline Lanhi | Gcom-MT


Plenário Mato Grosso

Rua João Bento, 592-A
Bairro Quilombo
Cuiabá - Mato Grosso

plenariomtcomercial@gmail.com

contato@plenariomt.com.br

Busca

Redes Sociais

Plenário Mato Grosso - Central de Notícias, aqui você é informado com *Credibilidade **Dinamismo ***Seriedade e ****Conceito

955x90
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo